Bradesco leva multa de R$ 2,3 mi por discriminar empregados sindicalizados


Gabriele Maniezo

Mais um caso de um banco explorando seus empregados. O Bradesco, que teve um lucro de 14,65 bilhões em 2017, foi condenado a pagar uma multa de R$ 2,3 milhões por danos morais coletivos, ao discriminar empregados sindicalizados.

Os trabalhadores eram filiados ao Sindicato dos Bancários da Paraíba e, segundo informações do portal do UOL, eram impedidos pelo banco de participar de cursos e treinamentos e tinham menos chance de serem promovidos, há já pelo menos 10 anos.

A decisão da multa foi tomada pela 8ª Vara do Trabalho de João Pessoa (PB), que determinou a penhora do valor em dinheiro. Segundo o Ministério Público do Trabalho da Paraíba, o banco não pode mais recorrer da condenação em si, apenas da forma como a multa é cobrada.

Ação contra o banco teve início em 2008

Em 2008, o MPT-PB ajuizou a ação civil pública na Justiça do Trabalho, alegando na época que o Bradesco no Estado adotava práticas antissindicais. O banco foi condenado, em 2010, a pagar R$ 20 mil para cada violação. O Bradesco recorreu, mas o recurso foi julgado improcedente, em 2011, pelo Tribunal Regional do Trabalho da Paraíba (TRT-PB). Nessa época, diz o MPT, a indenização prevista já estava na casa de R$ 1 milhão.

Em novembro de 2017, o procurador Eduardo Varandas entrou na 8ª Vara do Trabalho com pedido de elevação do valor da multa, alegando que o Bradesco continuava com a mesma postura discriminatória.

Diversos funcionários ouvidos pela Procuradoria relatam situações absurdas de se acreditar que ainda vivenciamos no Brasil.

Um dos trabalhadores contou que o banco afastou todos os integrantes da entidade sindical de promoções, participação em curso e treinamento, por exemplo.

Outro contou que teve suas atribuições reduzidas (deixou de ter acesso às contas e aos extratos dos clientes), desde que entrou para o sindicato.

Esta não é a primeira vez que trabalhadores são discriminados e perseguidos pelo simples fato de serem sindicalizados. O mais impressionante é a impunidade. 10 anos! No Brasil o descumprimento da lei está realmente banalizado. Não se pode conceber que uma das maiores instituições bancárias do país tenha permanecido por tanto tempo violando a lei!

É imprescindível que situações como esta sejam denunciadas e os patrões sejam condenados. O dirigente sindical, acima de tudo, também é trabalhador e também está no dia a dia na agência ou seja onde for.

Leia outros depoimentos e obtenha mais informações no site do MPT-PB.

Recomendamos para você


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.


*