Quer ganhar mais? Estude!


Especialização, pós-graduação, mestrado e até mesmo curso de inglês. Estudos comprovam que quanto maior a escolaridade, maior o salário, não importa a área de atuação. Apostar nos estudos também é uma medida para preservar o emprego.

Os cursos de pós-graduação, especialização e MBA duram, em média, dois anos e tem foco no mercado de trabalho. Já o mestrado, doutorado e pós-doutorado são mais aconselhados para quem quer seguir na área de pesquisa acadêmica.

Segundo a consultoria Produtive, profissionais que pararam na graduação tiveram um tímido aumento na remuneração entre 2014 e 2015. Em um ano, a média salarial dessa faixa de pessoas cresceu apenas 4,6%.

Na direção contrária, profissionais com uma pós-graduação lato sensu tiveram um reajuste de 12,4%. Aqueles que fizeram mais de uma especialização tiveram uma compensação financeira ainda melhor: um aumento de 14,6%.

Quando falamos de mestrado e doutorado no currículo, a situação salta de figura. A remuneração média de mestres e doutores saltou 21,4% entre o ano retrasado e passado.

Outra pesquisa, da agência de empregos e recrutamento online Catho, aponta que uma pós-graduação pode representar um aumento de 22% no salário de diretores, independentemente da área de atuação.

De acordo com a Catho, falar inglês fluente também contribui para o aumento salarial. Para profissionais dos níveis júnior, pleno e sênior, o conhecimento do idioma aumenta em até 20% a remuneração. Para coordenadores, o incremento é de 62%.

O MBA (Mestrado em Administração de Negócios), por sua vez, adiciona em média R$ 2 mil no salário de funcionários. No caso de gerentes, o aumento é de R$3 mil.

Segundo a FGV, Fundação Getúlio Vargas, a cada ano de estudo, o salário aumenta em média 15%.

glasses-272401_1920

GRADUAÇÃO COMPLETA É CAPAZ DE DOBRAR SALÁRIO

A Universidade Estácio de Sá divulgou uma pesquisa no ano passado que indica um aumento salarial de 58% com a finalização de uma graduação. Outro dado que exemplifica as vantagens de seguir estudando é o do índice de empregabilidade um ano após a conclusão do curso: 78%. Em carreiras como tecnologias da informação e gestão, chega a 90%.

Mas, tem aquelas pessoas que argumentam que estudar exige um investimento muito alto. Contudo, o estudo revela que em 25 meses (pouco mais de dois anos) os estudantes já conseguem recuperar o dinheiro empreendido ao longo do curso.

Especialistas em carreira profissional afirmam que a continuidade dos estudos é fundamental não apenas pelo aumento salarial. Mas também porque manter-se atualizado em sua área de atuação não te faz perder espaço para jovens recém-graduados.

Entretanto, acumular títulos acadêmicos não é garantia de sucesso profissional. Características como facilidade para trabalhar em grupo, comprometimento com as tarefas e inteligência emocional também definem um bom trabalhador.

Recomendamos para você


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.


*